Jovens escoteiras de São Paulo garantem vaga na COP-27 com projeto de sustentabilidade

30 agosto 2022

Anita Valente foi indicada para participar da delegação de escoteiros que irá a COP-27, a maior conferência sobre mudanças climáticas no planeta

A COP-27, Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, será realizada em novembro deste ano no Egito. Este é o maior e mais relevante evento sobre o tema no planeta e, em 2022, teremos uma representante brasileira integrando a delegação da Organização Mundial do Movimento Escoteiro (OMME): Anita Valente da Costa, colaboradora no Grupo Escoteiro Almirante Tamandaré 46/SP. 

A jornada até a COP-27 começou bem antes, em 2016, ali mesmo dentro do Grupo Escoteiro, quando quatro amigas (dentre elas Anita) resolveram que precisavam potencializar as suas ideias para impacto social. Foi desse desejo que nasceu a Bauhinia Eco-Social, uma ONG com objetivo de apoiar pequenos negócios e que pouco a pouco passou a ser uma iniciativa socioambiental com atuação nas áreas verdes periféricas da Zona Sul de São Paulo. 

Larissa-liz-de-ouro-COP-27
Larissa Viana recebe sua Liz de Ouro.

Fundada por escoteiras, a ONG sempre teve o suporte do Grupo no qual se conheceram e tornaram-se amigas. Foi assim que outros jovens escoteiros também se interessaram e começaram a aprender sobre gestão de projetos através do Programa Jovens pela Sustentabilidade da ONG Bauhinia Eco-Social. É aí que aparece Larissa Viana, jovem escoteira de 17 anos que idealizou o projeto que foi a porta de entrada para a COP-27 com a ajuda de Izabela Borba, Gabriela Banzatto e Anita Valente. 

Moradora de São Paulo, cidade mais populosa da América Latina, Larissa viu uma oportunidade de ser agente de mudança em sua comunidade ao unir a preservação da natureza ao combate à fome. Com o projeto “Ligando as Pontas”, a jovem trabalha para conectar catadores de materiais recicláveis a pequenos agricultores e pessoas em situação de vulnerabilidade social, atuando para alcançar três dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 

Atualmente, o projeto ainda está em fase de planejamento: é preciso mapear as formas de financiamento e captação de recursos até que ele próprio se torne auto sustentável. Mas a ideia, apesar de simples, tornaria possível um sistema de economia colaborativa que irá contribuir diretamente para a melhoria de vida de quem recicla, quem planta e quem tem fome. 

Através da criação de pontos de coleta em instituições de ensino, o projeto irá incentivar os moradores da região a levarem seus resíduos para que sejam recolhidos por catadores, gerando renda e trabalho a estes profissionais. Em troca, a instituição de ensino entregaria insumos como frutas, verduras e legumes produzidos por agricultores locais para abastecer as famílias em situação de vulnerabilidade.

A concepção do projeto pressupõe que ao longo do tempo, a venda dos resíduos seja capaz de subsidiar a compra de alimentos locais para realizar a troca. Entretanto, para que o projeto possa iniciar efetivamente, é necessário um aporte financeiro de cerca de cinco mil dólares, a fim de criar um fundo que irá abastecer as famílias e gerar renda aos pequenos produtores até que o projeto se torne auto sustentável.

Financiamento do projeto e vaga na COP-27

Com a necessidade de custeio, surgiu a oportunidade de financiamento através de um edital da Organização Mundial do Movimento Escoteiro (OMME) e da iniciativa “Project for the Planet” (“Projetos para o Planeta”, em tradução livre), cujo objetivo é financiar em até mil dólares projetos relacionados ao meio ambiente, além de possibilitar a participação na COP-27, como parte da delegação da OMME que estará na conferência. 

Idealizado em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a insígnia Reciclar, Reduzir, Reutilizar da Tribo da Terra, a iniciativa Project for the Planet selecionou dez projetos para financiamento, dentre dezenas de projetos inscritos. O projeto de Larissa, Ligando as Pontas, foi um dos selecionados e, como prêmio, a jovem ganhou uma quantia em dinheiro e também uma vaga para compor a delegação da OMME para a COP-27.

Entretanto, um dos pré-requisitos para compor a delegação é ser maior de 18 anos. Desta forma, Larissa e o grupo de pessoas envolvidas no projeto deveriam indicar um representante para compor a delegação que atendesse a tais condições. É aí que aparece o nome de Anita, voluntária de 28 anos e uma das fundadoras da ONG Bauhinia que será representante dos Escoteiros do Brasil na Conferência da ONU sobre mudanças climáticas em novembro deste ano. 

“A gente acredita no projeto, mas estávamos mesmo com vontade de aprender com os processos, então foi uma grande surpresa, mas também uma oportunidade para mostrar que o jovem, quando trabalha junto com outras organizações, consegue sim captar recursos para colocar suas ideias em prática”, afirma Anita que faz questão de citar outros coletivos que estão envolvidos na construção do projeto como a Cooperpac – Cooperativa dos Catadores Seletivos do Parque Cocaia, a Orgânicas para Todes e o Grêmio Estudantil Fênix da ETEC Irmã Agostina na Zona Sul de São Paulo. 

Anita lembra que a indicação do seu nome para participar da COP-27 foi natural entre as integrantes da equipe do projeto, já que ela acompanha as discussões em torno do evento há muito tempo e já representou o Brasil em outros programas a nível internacional como o Eat4Change do WWF. “O Brasil tem sua relevância nas discussões sobre mudanças climáticas e esse é um importante espaço de representação jovem. Que possamos a partir dessa oportunidade criar caminhos para que mais jovens escoteiros possam se fazer presentes nestes espaços”, afirma Anita.

Sobre a COP-27 

A Conferência das Partes (COP – Conference of the Parties) é o órgão supremo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, adotada em 1992. É uma associação de todos os países membros (ou “Partes”) signatários da Convenção, que, após sua ratificação em 1994, passaram a se reunir anualmente desde 1995, por um período de duas semanas, para avaliar a situação das mudanças climáticas no planeta e propor mecanismos a fim de garantir a efetividade da Convenção.

No ano passado, durante a COP-26 realizada em Glasgow, na Escócia, jovens escoteiros estiveram presentes no evento, representando a comunidade escoteira mundial na defesa de ações urgentes para reverter o cenário de mudanças climáticas cada vez mais danosas ao nosso planeta. Este ano, a COP-27 será realizada no Egito em Sharm el-Sheikh, entre os dias 2 a 18 de novembro de 2022.

Skip to content